Informação necessária.
 

CADASTRE-SE

Faça seu cadastro para receber nosso informativo eletrônico:
Nome: Informação necessária.
E-mail: Informação necessária.E-mail inválido.
 
Youtube Twitter Facebook
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

ARTIGOS

  14/03/2017 

Bondade e doação - Padre Geovane Saraiva

A Igreja sempre contou com a imagem do pelicano, pássaro que na Europa Medieval era considerado animal singularmente zeloso e alimentava os filhotes com o alimento tirado da sua própria bolsa e, se chegasse a faltar alimento, esse pássaro, numa maneira extraordinária e divina de proceder, alimentava os seus filhos com o próprio sangue. Temos o belíssimo comentário de São Jerônimo, sobre o Salmo 102, na seguinte assertiva: “Sou como um pelicano do deserto, aquele pássaro bom que fustiga o peito e alimenta com o próprio sangue os seus filhos”. Ele é o símbolo da obediência da entrega do Filho de Deus, o qual nos convida, com Ele, a nos configurarmos.

Neste tempo precioso da Quaresma, voltemo-nos para a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, nas palavras de Dom Helder Câmara: "Que eu aprenda afinal, com a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, a cobrir de véus o acidental e efêmero, deixando em primeiro plano apenas o Mistério da Redenção”. Que nossa fé na Eucaristia, pão que sacia a vida dos seres humanos, empolgue-nos e fascine-nos não só em momentos circunstanciais da vida, mas que nos leve a um forte e consequente desejo de aprender sempre e cada vez mais a vivermos animados e com a marca esperança, voltando-nos para o bom pelicano, pela renúncia, doação e generosidade.

O pelicano quer representar todos os que abraçam o mistério da salvação, numa atitude totalmente solidária, deixando-se conduzir pelo espírito de Deus, a caminho da glória. Quão enorme é a simbologia do pelicano, isto é, da Paixão de Cristo, na Eucaristia e na autoimolação – o Cordeiro pascal. Esse tipo de ave costumava sofrer de uma doença que o deixava com uma marca vermelha no peito. Outra versão é a de que esse tipo de animal tinha o hábito de matar os seus filhotes e, depois, ressuscitá-los com seu sangue, o que seria análogo ao sacrifício redentor de Jesus, no Seu memorial de morte e ressurreição.

Na nossa disposição sempre renovada de mergulhar em Deus, voltemo-nos para Santo Tomás de Aquino, que asseverou: “O pelicano bom a nos inundar com vosso sangue, sangue no qual, através de uma só gota, quis salvar o mundo inteiro”. Que o pássaro bom, Nosso Senhor Jesus Cristo, na nossa caminhada para a Páscoa, ensine-nos a amar mais a Eucaristia, sacramento no qual Jesus se acha presente, com seu corpo, sangue, alma e divindade, como banquete sagrado!

Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

PÁGINA INICIAL

 
 

Copyright © 2009-2017 Agência da Boa Notícia  •  Todos os direitos reservados.
Av. Des. Moreira, 2120, sala 1307 - Aldeota  •  CEP: 60170-002  •  Fortaleza - CE
Fone/Fax: (85) 3224.5509  •  E-mail: boanoticia@boanoticia.org.br

    www.igenio.com.br